fbpx

Parte I – Vinho de A a F!

Na dúvida quanto aos termos tão utilizados no universo dos enólogos?

Não se preocupe, descomplicamos com esse glossário com as principais palavras quando o assunto é a bebida.

Confira:

Açúcar residual: Açúcar que fica no vinho depois da fermentação (não transformado em álcool). É sempre natural.

Adega: É o local onde se elabora o vinho, composto por diversas instalações. Geralmente construída na superfície, e não subterrânea, como a Cave (local onde se guarda o vinho).

Adstringência: Reação química que provoca sensação áspera na boca – na língua e no paladar – em razão da interrupção da salivação.

Aguardente: Álcool natural proveniente da fermentação de fruta e posterior destilação.

Alambique: Equipamento usado para a destilação (separação de uma mistura homogênea de sólido e líquido). É formado por uma caldeira conectada a uma serpentina por um tubo de resfriamento.

Assemblage: Palavra de origem francesa que designa um processo de mistura de uvas no preparo do vinho. É o contrário de varietal. Vide Corte.

Autoclave: Grande tanque pressurizado usado para a produção de espumante pelo método Charmat.

Bagaço: É a parte sólida que sobra da prensagem da uva. Pode ser utilizado como adubo.

Bago: Como é chamado o grão da uva.

Barrica: Recipiente cilíndrico de madeira de carvalho com capacidade média de 225 litros. Usada para a fermentação do vinho ou para amadurecimento.

Barril: Recipiente cilíndrico de madeira usado para transporte e para envelhecimento do vinho.

Batonnage: termo francês que designa o processo de movimentar o barril onde o vinho está estagiando para suspender os sedimentos – leveduras e resíduos. O processo faz com que o vinho adquira uma textura mais cremosa.

Blanc de blancs: Champanhe feito somente com uva branca – especificamente a chardonnay.

Blanc de noirs: Champanhe feito exclusivamente com uvas tintas.

Blend: Palavra em inglês que significa mistura, corte. Vide Assemblage.

Bodega: Vinícola, em espanhol.

Botrytis cinerea: Fungo que ataca as uvas (e outros frutos), podendo ter consequência beneficia ou não, dependendo das condições climáticas. Em ambientes de clima quente e úmido, o fungo se aloja na casca da uva – parece um pó marrom, desidratando-a e apodrecendo-a – o que é chamado de podridão nobre. Neste caso, o nível de acidez e o açúcar aumentam e as uvas são usadas para a produção de vinhos naturalmente doces. Mas quando as condições são desfavoráveis, pode ocasionar a perda do cacho e, até mesmo, estragar a colheita como um todo.

Bouchonnée: Palavra derivada de Bouchon, que em francês significa rolha. É expressão usada para designar um vinho alterado pelo gosto da cortiça da rolha.

Brut Nature: Classificação quanto ao nível de açúcar. Também conhecida como dosagem zero. Na região de Champagne deve ter menos que 3g/l.

Brut: Classificação quanto ao nível de açúcar. É o seco. Na região de Champagne deve ter menos de 12g/l.

Cepa: É o caule ou trono da videira. Pode significar, também, variedade de videira, de uva.

Colheita tardia: Refere-se a um vinho elaborado com uvas colheitas depois do período normal de maturação, ou seja, tardiamente. O vinho produzido com essas uvas é, naturalmente, um vinho doce, em razão da maior concentração de açúcar.

Colheita: Ação de colher as uvas. Pode significar, também, o ano em que se colheram as uvas que deram origem a determinado vinho.

Corte bordalês: Corte original de Bordeaux, elaborado a partir da mistura de três diferentes tipos de uva, a Cabernet Sauvignon, Merlot, Cabernet Franc.

Corte: Expressão usada para designar o vinho produzido a partir de uma mistura de distintas variedades de uvas.

Críticos de Vinhos: pessoas e revistas especialistas em degustar e analisar os vinhos do mundo todo. Citamos os mais renomados e como funciona o sistema de cada um na nossa página sobre o Mundo do Vinho.

Cru: Palavra que em francês, quando usada no contexto do vinho, significa vinhedo. Quando usada como Grand Cru, designa vinhedos reconhecidos pela excelência da qualidade de suas uvas.

Cuvée: Palavra francesa que significa “tanque”. É usada para designar um blend – método como são feitos a maior parte dos Champanhes. É a confecção do vinho base.

Decanter: Recipiente geralmente feito de vidro ou cristal, usado para aerar o vinho ou para separar seus resíduos.

Dégorgement: Palavra francesa que designa um método pelo qual os sedimentos da segunda fermentação do champanhe (ou espumante) é retirado com mínima perda do vinho. Congela-se o gargalo da garrafa, onde os sedimentos foram depositados, e remove-se temporariamente a cortiça. A pressão interna força o sedimento para fora.

Demi-sec: Classificação quanto ao nível de açúcar. A quantidade depende de cada região. Na região de Champagne, é o meio-doce, podendo ter entre 32 a 50g/l.

Desengace: É o nome dado ao processo de separar as uvas do cacho.

DOC: Denominação de Origem Controlada. É um conceito usado para designar a originalidade, qualidade e características de determinados vinhos que estão ligadas a uma região. Há diversas formas de designação, dependendo do país e cada uma tem uma regra própria. As mais comuns são: DOC (denominação de origem controlada), DOCG (denominação de origem controlada e garantida), DO (denominação de origem), AOC (apelação de origem controlada – França), IGT (indicação geográfica típica – Itália) e DOP (denominação de origem protegida – Espanha).

Doux: Classificação quanto ao nível de açúcar. É o doce. Na região de Champagne deve ter mais de 50g/l.

Enófilo: É quem aprecia vinho e/ou o estudioso de vinhos.

Enologia: Ciência que estuda as técnicas de elaboração do vinho.

Enólogo: Quem tem formação e conhecimento profundo sobre enologia.

Enoteca: Coleção de garrafas de vinhos ou negócio de venda de vinhos.

Extra Brut: Classificação quanto ao nível de açúcar. É o totalmente seco. Na região de Champagne deve ter até 6g/l.

Extra: Classificação quanto ao nível de açúcar. Na região de Champagne deve ter entre 12 a 17g/l.

Fermentação alcoólica: É a transformação do açúcar das uvas em álcool em razão da ação das leveduras.

Fermentação em garrafa: Processo usado para a elaboração de espumantes. Depois de engarrafado, o vinho desenvolve uma segunda fermentação na própria garrafa, em razão da ação das leveduras. É por causa dessa fermentação que o vinho fica com gás carbônico (origem das borbulhas).

Fermentação malolática: É a transformação do ácido málico em lático, por ação de bactérias lácticas. Pode ocorrer durante ou depois da fermentação alcóolica.

Ficha de degustação: Anotação feita durante uma degustação que descreve as impressões sobre o vinho. Geralmente há notas sobre o aspecto, o cheiro, a impressão na boca e a persistência no paladar.

Filoxera: Inseto sugador que impede o desenvolvimento das videiras. Essa praga atacou os vinhedos da Europa na segunda metade do século XIX, dizimando grande parte deles, especialmente os da França.

Fonte: http://www.winer.com.br/glossario-do-vinho/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Loading...